Por causa de mim!

20 mar

Volta e meia vemos um líder evangélico se dizendo perseguido.

O pior é que quase sempre isso acontece após encontrarem dólares demais dentro de sua bíblia, desvios, denúncias, e acusações de membros. Enfim, depois de pisadas na lama. Caso contrário à palavra “perseguição” jamais faria parte do vocabulário destes.

Alguns até choram na TV se dizendo perseguidos, fazendo do termo uma estratégia de marketing, um símbolo de persistência, de coragem, tentando passar a mensagem de que ele, mesmo sendo “o perseguido”, ainda esta lá, e que mesmo sofrendo tanto, ainda esta lá.

 

 

O próprio Jesus abordou o tema em Mateus 5:11 dizendo: Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.

Jesus não disse que não haveria perseguição, mentiras, calunias, acusações e dificuldades. Ele afirma que estas coisas virão sobre seus discípulos sempre.

Mas uma parte destas palavras de Jesus  não estão sendo observadas com cuidado e temor que merecem, esta parte é a que diz: “Por minha causa.”

Após a crucificação de Jesus, seus seguidores sofreram forte opressão e perseguição de morte, e a ordem clara era exterminar todos que falassem em nome de Jesus, que pregassem suas ideias.

Paulo ouviu na estrada de Damasco a pergunta: Porque me persegues?

Mostrando que o que Paulo perseguia de verdade era o Jesus ainda vivo na vida dos que o anunciavam. Perseguia em nome dos homens o Jesus ainda vivo naqueles que o viram e ouviram, e na vida daqueles que mesmo não o vendo ou ouvindo pessoalmente, ouviram e que creram  nos que transmitiram a mensagem Dele, e isso parecia não parar mais, isso fugia do controle.

 

 

As mortes eram por causa de Cristo, porque os incomodava o fato de mesmo depois de o terem crucificado, não o haviam matado, pois era claro e notório que Ele ainda vivia a ponto do próprio Paulo, já não sendo mais perseguidor, mas agora perseguido dizer: Não vivo eu, mas Cristo vive em mim.

Tenho visto muita gente, comprado brigas, debatendo e levantado bandeiras e espadas em defesa dos que se dizem “os perseguidos” dos dias de hoje. Defendem e se envolvem sem analisar e nem pesar isso á luz da palavra.

Perseguidos?  Por quê?

Por que tudo o que fazem é e acumular  bens, riquezas, status e reconhecimento, o que Cristo disse que seus discípulos não possuiriam?

Por que se envolvem com politicagem, mídia e visibilidade, e coisas das quais, Jesus e seus discípulos jamais se importaram?

Por que descuidados, ou nem um pouco preocupados, deixam seus crimes de lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito e tantos outros aparecerem?

Porque são implacáveis e arrogantes quando se metem em assuntos os quais Jesus e seus discípulos jamais se preocuparam, pois pregavam o amor do Pai que a tudo cura, e a tudo transforma?

Perseguição se tornou justificativa, se tornou uma defesa.

Mas Jesus deixa claro: “Por minha causa”

Não é difícil ver em filmes da época muitos sendo mortos, caçados. por serem de Cristo, e por Cristo. Essa era a única acusação que os matava, os tribunais e as execuções não davam nenhuma outra sentença senão a de que eram discípulos do tal Jesus que se dizia o Cristo.

 

 

Perseguidos? Por quê?

A verdadeira perseguição ainda nem se deu de fato nesse país, não pelo menos em seus grandes polos, a ponto de que saibamos claramente.

Eu não fui ainda impedido de falar de Jesus neste Brasil. Já fui sim, confrontado, debatido, por quem pensa diferente, ou crê em outras coisas, mas perseguido, ameaçado ou podado não. Ninguém me bateu, nem me ameaçou por causa de Jesus, e não soube de ninguém que tenha sofrido isso por aqui.

A igreja perseguida existe! Mas o Brasil e talvez  nem eu mesmo que  falo hoje sobre isso tenha a minima noção do que muitos de nossos irmãos passam nesse exato momento em que brincamos de coitadinhos perseguidos!

Será Claro!

Será declarado para que todos possam saber!

Será por causa de Jesus Cristo!

Portanto acho que devemos tomar muito cuidado com o que estão jogando pra galera. A verdadeira perseguição ainda nem sequer começou, mas no pé que estamos, quando tudo começar teremos nos perdido num emaranhado de mentiras de difícil volta, caso não estivermos atentos á Jesus somente.

Parece complicado e tenho certeza que muitos discordaram de mim ao associarem o que digo com o que veem na tv ou ouvem nos púlpitos. Mas não! É muito fácil quando se prova as atitudes e frutos dos “perseguidos dos dias de hoje”, na pessoa de Jesus.

Porque é vergonhoso ver tele pastores chorando, gritando em plenos pulmões e manipulando pessoas se dizendo perseguidos, quando na verdade isso acontece por erguerem impérios, por se envolverem em verdadeiros crimes, e por serem políticos e sedentos por mídia e poder.

É vergonhoso porque em outras partes do mundo, verdadeiros discípulos são metralhados por simplesmente se reunirem pra falar de Jesus em casas, seus filhos são violentados, humilhados e expostos em escolas por professores. Enquanto em outras partes do mundo outros são presos em containers abandonados em locais distantes por confessarem seguir a Jesus, e outros são presos, torturados por terem fé no Filho de Deus.

Por causa Dele!

 

 

Mesmo que queiram nos dizer, ainda não estamos vivendo isso por aqui.

E quando será?

Não sei!

Talvez esteja mais perto do que imaginamos, ou ainda muito longe, mas tenho uma opinião muito pessoal de que os discípulos de Jesus Cristo de verdade, serão perseguidos com muito mais veemência por estes que hoje choram na tv, manipulam massas, e sem temor algum e respeito pelos que morreram e morrem pela verdade, se dizem “os perseguidos”.

 

Abaixo segue cenas de um filme, e com toda certeza e base bíblica e histórica de que de fato foi assim como o vídeo mostra. desejo que os que sustentam essas falácias, tomem vergonha na cara, e se lavem de sua sujeira. a fim de serem vistos e reconhecidos por Cristo naquele dia como discípulos.

 

Um abraço a todos e o desejo de que Jesus e que sua verdade seja cuidadosamente  observada e zelada.

Carlos Alberto Correia

20/03/2013

Saco de milagres.

26 fev

saco

 

Quando se é saco de milagres nunca se esta cheio o suficiente. Não se encontra paz nem gratidão e se vive uma vida de pleno descontentamento.

Quando se é saco de milagres, são necessárias demonstrações diárias de poder e da presença de Deus, que os encham, mesmo que por algum tempinho, Tudo pra dar aquela sensação de que valeu a pena ir naquele culto, acordar e ir pra igreja no domingo. É sempre assim, alguém deve ser curado (de preferencia de alguma doença grave), alguém deve dar algum testemunho Fantáááástico!!!  Senão o saquinho de milagres fica vazio, perdido,  se sente inseguro em relação á Deus, e acaba sucumbindo na fé.

 

Quando se é saco de milagres se exige que Deus seja uma espécie de malabarista e animador, sempre com números novos pra surpreender a plateia e arrancar dela suspiros. Até se paga e bem pra ver o show! O importante mesmo é nada passar em branco, e valer realmente a pena, pois caso nada aconteça, logo,  Deus estará sendo acionado pelo Procon.

E assim é, para quem é só um saco de milagres, ou um saco furado, insaciável, ansioso, inconstante e imaturo.

 

Em Cristo Jesus e na estrada do evangelho pessoas não são feitas sacos, potes e nem qualquer outro recipientes de milagres, pois ao lado de Jesus nós somos os próprios milagres, e não mais portadores, não mais plateia, e nem clientes, mas o próprio testemunho da obra Daquele que nos amou e nos ama, e nos torna o milagre a cada dia com Ele.

Quem é o milagre, tem gratidão, paz, contentamento com o pão que veio do céu. Tem a fé de que tudo já foi feito, liberado, dito e decretado pelo Filho de Deus.

Quem é o próprio milagre não segue os sinais, mas é a confirmação vivo de que os sinais é que seguem os que creem e não o contrário.

 

Para quem é o próprio milagre, tudo vai além que ossos secos num vale se procurando, tomando forma, criando nervos, músculos e carne e se tornando gente em pé. Pois enquanto os que são só saco de milagres, são tomados pela euforia de ver demonstrações “sobrenaturais”, quem é o verdadeiro milagre dá ênfase ao mais importante de tudo isso, o que vem depois, o que completa tudo, e que faz tudo fazer sentido, que é o sopro de vida no homem, pois entendem que milagres sobrenaturais são bons, mas quando não trazem em sua essencia a  vida, por mais lindos e extraordinários que sejam, procedem do maligno.

Aqueles que são o próprio milagre dão glória pela vida, que é mais que a vida feita de pulsação,  batimentos cardíacos, e respiração.

Eles enxergam e pulam de cabeça na verdadeira vida, que é descrita em I João 5:12, e entendem que, aó aqueles que tem o Filho e a compreenssão de quem Ele é, possuem a vida que Ele dá, em doses de amor misericórdia, cheia de graça, e ai, mesmo que nada seja visível, essa graça basta, pois sendo eles o próprio milagre do amor andante na Terra, se alegram, e não são abalados, nem levados por nada mais que brilhe, que encante e que engane da velha vida de angustias, medos e inseguranças.

 

Carlos Alberto Correia

Remanescentes

24/02/2013

A diferença entre “O caminho” e o “No Caminho”.

20 fev

desabafo_pai

Ensina o menino no caminho que deve andar.

Tem coisas que as vezes passam batidas, não damos conta e uma palavra pode mudar tudo.

Tenho amigos que podem dar mais clareza ao que digo por terem formação e conhecimentos para uma boa interpretação  e como uma palavra muda o sentido e significado verdadeiro de uma frase.

Pra nós, o texto, mesmo não sendo, é entendido assim : Ensina ao menino, o caminho em que deve andar.

Temos a habilidade de mudar, de criar um atalho, sobre o chão verdadeiro com nossas adequações e confortos.

É lógico!

As vezes fazemos isso por dispersão, que vira costume, e outras por intenção de alterar mesmo o que é dito ou escrito.

Mas em qualquer uma das duas situações pode se tornar um problema.

Existe muita confusão hoje em dia. pais defendem que a escola e os professores são responsáveis não só pela formação acadêmica, mas também pela educação. Aliás chamamos o problema da escola de “problema na educação”.

E assim, pais que não querem receber a conta dos estragos de seus filhos, apontam culpados no sistema, no mundo, na escola , e em diversos outros lugares e situações.

Tem que se ensinar  “no caminho” e não “o caminho”!

Embora se possa achar que não há diferença na prática, a má compreenssão me faz ver o quanto perdemos a essencia da verdade contida na palavra.

Quando se  ensina no caminho, é porque nele esta, é porque se percorre o mesmo trajeto em igualdade, é porque ja se sentiu os gostos amargos e a dureza dos percalços da viagem,  se alegrou com a dadiva da vida que é viva, e surpreendente enquanto a trilhamos.

Quando se ensina “o caminho” mandamos ir mas não vamos, direcionamos mas não acompanhamos. quando se quer mostrar  “o caminho”, automaticamente, mandamos ir por onde não vamos. Fazemos valer o ditado: Faça o que eu digo, e não o que eu faço!

Nos portamos como quem dá informações a alguém perdido na rua, sem nenhum vínculo e nenhuma preocupação se este chegará ou nãoao oocal indicado, tanto faz quando se some da vista.

Jesus nunca ensinou o caminho que se devia andar. Ele sempre  foi vida no caminho da vida.

Quando chamou seus discípulos, embora já  homens, foi como se chamasse á meninos no conhecimento das coisas do reino de Deus.

E assim, o Jesus que poderia ficar de qualquer lugar coordenando, percorreu o chão do prório evangelho que pregava, experimentando seus transtornos, e alegrias, durezas e facilidades, gentilezas, e rispidez, perigos e calmarias.

Na verdade “o caminho” não existe. E mesmo quando achamos que é possível ensinar sob esse ponto vista, nos enganamos, pois todo ensinamento se dá somente “no caminho” e no que “se deve andar”.

Ai a grande questão é qual é o seu caminho?

Associamos a religião a idéia do caminho do bem. Mas muita gente tem bons caminhos a dar fora da esfera religiosa.

Quantos pais sem nunca irem a uma igreja, ou fazerem parte de algum ajuntamento ou grupo religioso, enraizaram seus filhos em bons caminhos e com isso provaram que o bom caminho não é a religião?

Na verdade na hora de ensinar, “o caminho” nunca existiu. E até mesmo Jesus, que é o caminho a verdade e a vida, mostrou em movimento pelo próprio caminho do evangelho que não bastava só dizer, só apontar, só querer ser mestre e estar na sombra.

O Filho de Deus, que era Deus, abriu mão de sua glória, de tudo o que tinha e por amor, se fez homem e pegou o caminho. E aqueles que o acompanharam aprenderam com Ele. O surpreenderam e foram surpreendidos, temeram, se encorajaram, questionaram, e fizeram valer a companhia. Porque só quem é companheiro e vai junto pode ajudar nas respostas, nem que esta seja um: Não sei, mas vamos junto!

O caminho que ia terminou  na cruz aos olhos dos homens, abria na verdade um novo e vivo caminho, um caminho eterno, e que faria da presença de Jesus ainda mais frequente, ainda mais forte, e ainda mais viva. E isso era dia a dia validado pela fé inabalável dos que o seguiram.

O pai sempre esta em um caminho, e mesmo que queira que o filho trilhe outro por melhor que seja, não terá sucesso. Pois só no caminho se resolvem pendências, se cria proximidade e cumplicidade, se rega o amor diário, se rasga o coração, e se cria uma ligação que lê nos olhos, nos gestos e comportamentos um do outro, o que se passa por dentro.

Quem tem coragem e a consciência de ensinar “no caminho” nunca se apaga, e  mesmo que passem gerações e mesmo que a morte do corpo impossibilite sua presença física, ele continua vivo, na vida de quem com ele trilhou, aprendeu e viveu, e assim transferi o bem  recebido para filhos dos filhos numa corrente de vida sem fim.

Ensinar “no caminho” não é uma sala de aula, é mais que conselhos, é mais que broncas, punições. Ensinar no caminho é provar, tocar, sentir e viver o bem, com amor responsabilidade e cuidado ao que nos assiste, e nos acompanha.

Quando se ensina “no caminho” os mais velhos viram heróis com vida e suas histórias. As rugas e fios grisalhos tornam-se metas e simbolo de triunfo aos mais jovens. Viram lição e exemplo.

Quando se ensina somente “o caminho” , os mais velhos são só velhos amargos, fechados, que enlouquecem em seus traumas, e sentimento de estagnação, pois sempre visaram o indicar somente “o caminho”,  mas nele não trilharam. Cosntataram que o tempo passou, sem que ninguém que cruzasse suas vidas se enraizasse e fizesse parte dela. Nem mesmo seus filhos carregam ligações, e ele se vê só,  percebendo que até parado escolheu um caminho que foi o pior.

Ensina o menino no caminho em que deve andar.

Não é facil para os pais, todos sabem das dificuldades que é educar uma criança e dar a ela bases fortes para vida. Mas  Jesus que é vida no caminho da vida, tem os indicativos e as ferramentas corretas para se ter exito.

E Jesus que não é religião, aponta sempre que ensinar “no caminho” vai além de fazer filhos conhecedores da bíblia, e sim portadores da palavra de vida. Não faz crentes, católicos, e sim discípulos  da verdade. Faz homens e mulheres honestos, tolerantes, amorosos, misericordiosos e justos. Tudo isso porque neles é marcado o caminho de um pai e uma mãe, que na sua humanidade, e no seu amor, buscaram muitas vezes sem saber, e sem entender, trlhar com os filhos onde se devia andar para ser feliz.

As crianças não são bobas, elas estão de olho, elas estão abertas a aprender, captando tudo e detectando que muitas vezes o que apontamos não é o que fazemos.  Mas também percebendo nosso amor em acertar, e em buscar um bom caminho, não só pra ensinar, mas pra ir junto.

Ensina à criança o caminho que ela deve seguir; mesmo quando envelhecer, dele não se há de afastar.  Provérbios 22:6

Carlos Alberto Correia

20/02/2012

Thalleco? A máquina não para mesmo!

20 fev

thalleco

Quando a gente pensa que não falta mais nada, se engana profundamente, e passa-se a acreditar que nesse mundão GOSPELento, nunca iremos parar de se surpreender.  A sindrome de Lúcifer, a vaidade, a busca pelo suce$$o, reconhecimento e o marketing pessoal é só o que importa.

Hoje num site de Notícias ví que o Thalles Roberto lançou o “Thalleco” seu boneco, pra ser vendido aos adorafãs dele.

Lamentável! Andamos em direção a tudo que a igreja e a palavra mandam fugir. Ressuscitamos práticas sujas, cruéis, e demoniacas praticadas por religiões antigas e com pitadas de cinismo deixamos tudo nos conformes, validando-se tais praticas com textos biblicos, e quando não dá, é só descolar uma “nova visão” ou “revelação” de um “ungido” que teve “o direcionamento”.

Nascido no evangelho ouví tantas criticas aos católicos, e outras religiões, sobre tantas coisas.  Mas vejo que hoje caminhamos sem perceber, ou por cara de pau mesmo, ás praticas de tudo que eles faziam, com a diferença  de que fazemos de forma ainda mais frenética, cínica,  suja, e mais descompromissada e alienada possivel.

Se alguém é da época, vai se lembrar que a crentaiada dizia que a primeira boneca da Xuxa era um Exú que através do brinquedo, entrava nos lares. E o boneco do Fofão tinha espumas e tecidos embebidos com sangue e coisas consagradas dentro dele,  e quando queimavam o Fofão ele gritava.

Mas com tudo isso que vejo,  pergunto!

Quem deste mundo Góóóóspiu, nos dias de  hoje, pode falar algo ou se achar diferente de alguem que nasceu crendo que a imagem de uma santa é de fato santa, e que deve ser adorada, e  digna de se depositar fé?

Tudo que a igreja evangélica, cristã ou seja la como for chamada, tem feito hoje é pior.

Pois se por um lado alguém de outra religião adora algo colocando  nisso apego,  tudo gira na esfera espiritual, e é impulsionada por fé, e , mesmo que aquilo seja só barro, só imagem. E  Mesmo que os pretextos, intentos do sujeito sejam confusos em reçlação do que é fé e santol, o fato é que tudo gira na esfera espiritual, e em torno da sede do homem descrita pela palavra.

Mas nesse mundo evangélico não! É tudo oba-oba mesmo, o santo e espiritual de verdade já não tem tanto valor, e a casca, o visível e o supérfluo se tornou “o tudo”.

O lance agora é o show, é business!

E enquanto alguém compra uma imagem pra rezar com sua  fé, alguns irmãos nossos que pontam os dedos, sentam no próprio rabo, e correm pra comprar um boneco de um artista góspiu. E saltitando sorridentes caem na cilada do marketing. Pagam caro pra irem a shows onde eufóricos cantam em torno de seus idolos, Pagam cachês  astronomicos, atendem exigências, viram capachos, por migalhas de atenção das estrelas da “MPG”, Musica pra pular Gospelenta“.

E por fim, frequentam e reviram o profundo balde de lixo que o mundo gospel se revela dia a dia.

Trazendo do fundo deste balde, os dejetos que outras crenças e religiões resolveram descartar por descobrirem que não serviam pra nada.

Sem generalizar! Meus respeitos aos homens e mulheres que permanecem fiés a Jesus Cristo, e Dele não abrem mão. Aqueles que não se dobram diante de lixeiras, e não ás reviram, pois encontraram o maior tesouro, o único que a traça não consome, o tempo não corroe, e nunca se acaba. Força, perseverança, e fé, pois os dias são maus, e infelizmente contam com a contribuição de alguns chamados irmãos para se tornarem assim com mais rapidez.

E Thalles! Pare de fazer m****! Digo, bonecos, e  se esforce no fazer discípulos para Jesus! Pare de remexer as lixeiras, e pule de cabeça no evangelho da verdade que é Jesus Cristo.

Carlos Alberto Correia

remanescentes

20/02/2013

O dia em que Jesus disse: Hoje não estou pra ninguém!

18 fev

pés-de-jesus

Marcos 7: 24-29

De repente Jesus decidiu sair da aglomeração da multidão. Decidiu não dizer nada , nenhum sermão, nenhuma parábola, tão pouco algum ensinamento.

Decidiu não curar ninguém, não fez nenhum sinal, não se envolveu em nenhum episódio com os chatos dos fariseus que pegavam no seu pé constantemente.

Nada!

E quieto partiu para as bandas de Tiro e de Sidom e lá se isolou numa casa, largando os discípukos do lado de fora e dizendo que não queria ser incomodado por ninguém.

Mas Jesus?

Diriam alguns, espantados com o comportamento daquele que até então era só “Jesus paz e amor”, simpatico, receptivo, e  presente.

Sabia que ele não ia suportar o tranco! Diriam outros nos dias de hoje.

Mas é verdade, Jesus largou mesmo todo mundo falando sózinho.

Pra muita gente pode parecer muito estranho este comportamento de Jesus, mas pensando aqui comigo mesmo, não acho mais isso.

Acharia perfeitamente normal se Deus um dia decidisse não ouvir nenhuma oração, não atender ninguém, fazer silencio e mesmo estando lá em sua onipresença, silenciar-se.

Acharia perfeitamente normal se em algum texto dos evangelhos Jesus falasse a multidão que muitos deles não passavam de exploradores, folgados que não o viam ou não o consideravam Filho de Deus coisa nenhuma, e que queriam memso só milagres, soluções e facilidades. Seria normal se Jesus dissesse que estava dando um tempo de todos e que ia dar uma relaxada.

Parece estranho! E confesso que pra mim também iria parecer muito estranho um tempo atrás. Mas hoje seria normal.

Pense comigo. Quem melhor que Deus pra saber o que se passa no coração de todos?

E  quem melhor que Jesus pra saber as intenções, os propósitos, e as reais necessidades dos que o rodeavam?

Por acaso ele não sabia que muitos dos que perguntavam coisas relacionadas a lei, não o faziam somente para o expor como inimigo dos costumes e das tradições, só pra botar lenha na fogueira?

Por acaso ele não sabia que muitos dos “pobres” mancos, aleijados e doentes, o buscavam por que queriam ser curados, mas nada mais além disso.

Será que não sabia, que enquanto ele dizia ser e agia como filho de Deus, muitos ignoravam e queriam mesmo que ele fosse um revolucionário que levantasse um exército e tomasse o poder e os livrasse dos Romanos.  E que alguns queriam estar ao lado delel só pra se auto promoverem, e ganhar uma vaguinha de destaque nesse novo governo?

Sabia que por trás de sorrisos e tapinhas nas costas, tinham interesses, curiosidade, inveja, fúria, desconfiança, conformismo. Tinha o desejo de sugar dele o que pudesse, de se enconstar nele e saber qual era o menu do dia, o que ele multiplicaria para o rango desta vez.

Sabia e sentia quando alguns se achegavam a ele com sinceridade. Sentiu no meio de tanta gente o apertando e querendo chamar sua atenção, um toque sincero, discreto de uma mulher  com fluxo de sangue que só queria tocar crendo que isso bastava, sem chamar atenção.

Sendo assim,  hoje, eu não acharia nada estranho que um dia, pelo menos um dia, Jesus quisesse se poupar de toda aquele ajuntamento de intentos e desejos da multidão em relação a ele, e decidisse passar um tempo só, sem receber ninguém.

Por isso não acho estranho Jesus ter ido onde foi, e ter dito aos discipulos para que ninguem soubesse que ele ali estava.

Pois bem! O Filho de Deus, aquele se se despojou de ser Deus e se fez homem por nós, e sendo homem, se cansando, tendo fome, sede e frio, também decidiu que não estava pra ninguém.

Deus se silencio em Jesus!

E como agir ao silêncio do Pai?

E com quebrar esse silêncio?

Precisamos dele toda hora!

Clamamos por ele, muitas vezes sem entender ou decifrar nossos reais intentos, nossas verdadeiras vontades. Não sabemos do que precisamos. Achamos que precisamos “X”, quando a verdade é que precisamos “Y”.

Somos confusos! E ai,  na nossa confusão de pensamentos, desejos e petições nos deparamos com a porta de Deus fechada. damos com a cara na porta de Jesus. Nos deparamos com o silêncio de Deus!

Seria uma pegadinha de Jesus? Penso eu.

Queria ele pregar um susto na galera e fazê-los acordar pra real?

Sei lá! mas a verdade é que foi impossivel ele se esconder, não teve jeito e todo  mundo ficou sabendo que ele estava lá dentro.

Penso nos discípulos doidos pra  darem uma espiadinha, e com o pretexto de saber se ele precisava de algo, sondar o que estava havendo. Penso na multidão querendo chamar, chegar, mas sendo contida ou advertida pelos discípulos que faziam o papel  de seguranças, fazendo cumprir as ordens de Jesus.

Ele quis fugir, quis ficar só, mas não teve jeito, lá fora estavam todos eles, sinceros e falsos, necessitados e folgados, interesseiros e bajuladores, doentes, e atormentados na alma que pensavam ser doentes só no corpo. Todos do lado de fora com seus pedidos.

Mas alguém não ficou lá, uma mulher furou o bloqueio dos discipulos, desobedeceu as regras de distancia, ignorou as ordens. e invadiu.

Não chamou no portão, não bateu na porta. Invadiu, e se atirou aos pés de Jesus quebrantada, com coração derramado, sincero.  Precisava de um milagre, mas não era daquele tipo de gente que Jesus via toda hora.

E se a palavra diz que, pedimos e não recebemos porque pedimos mal. A mulher mostrou que ser ousada não era fazer como somos ensinados a fazer.

Ser ousado no pedir não era  dar cor, tamanho, marca e dicas, pra Deus saber o que precisamos, como se diz que tem que ser por ai.

Ser ousado não é nada disso que arrasta pessoas a campanhas, templos, que reforçam clamores de ordem e “sugestões claras” do que Deus deve fazer.

Pedir bem não é decretar o que Deus deve fazer, como se ele fosse um serviçal.

Pois a estes que assim pensam, só resta o silêncio do Pai. ele não poderia alimentar isso, ele não fecharia os olhos a isso, ele não alimentaria desejos cinicos, e mimaria gente as aquecendo para os infernos da vida real, do dia a dia.

A mulher mostrou que ousadia de verdade foi pegar a sí mesma e ter a coragem de se quebrantar, se prostrar diante  daquele que é Deus. É a coragem de se colocar como “um nada”, e sem medo do escandalo, do que iam dizer ou pensar, se fazer como um cãozinho ao pé da mesa, esperando que num ato de misericórdia algum farelo, algum pedaço, caísse.

Entendeu mais do que os outros que queriam se assentar a mesa, e ter o melhor da Terra.

Entendeu o que os fariseus, entendidos da lei, os que se diziam eleitos, separados e únicos, não entenderam, não enxergaram.

Entendeu que a única coisa que quebra o silêncio do Pai é um coração quebrantado. Salmos 51:17

E que Deus não resistia aquele ato de desprezo de alguém  por sí mesmo e total entrega, fé e contrição verdadeira.

A mulher que não era judia, não era descendente dos heróis. A mulher que não estava em todos so cultos semanais. Que não se achava a filha do rei que poderia determinar, decretar, autorizar e liberar coisas. Que entendeu que dela mesma não vinha poder algum pra ordenar a Satanás coisa alguma.

A mulher que nem era chamada crente, que não era da irmandade, que não rorava alto. A mulher que não fazai cara de piedade quando jejuava pra todos verem e saberem. A mulher que não fazia papel de autoridade, nem de santarrona.

A mulher de outro povo, oura nação, aos quais os judeus  “os eleitos” se referiam como  “cachorrinhos”, e  que muitos de nós tratariamos como incredúlo, pecador, candidato ao inferno, entendeu, enxergou, alcançou, e não só quebrou o silêncio de Jesus, mas tirou dele admiração.

E assim Deus que tudo sabe, e que se fez homem e se permitiu admirar-se com o homem de coração quebrantado, se permitiu também sentir como um golpe baixo de tanto amor e verdade daquela mulher, e assim o Pai não conseguiu mas ficar silencioso, ficar distante, ficar recluso. Não dava mais.

Pois um coração quebrantado pra adorar, encontrou o coração quebrantado do Pai pra abençoar e amar.

Não deu! Por mais que quisesse, a mulher balançou Deus, o deixou sem jeito. E Ele, Deus de amor sorriu e sorri todos os dias com isso, explode de alegria quando um coração quebrantado invadi sua presença. É tudo que Ele quer, é tudo que ele anseia. é tudo que espera de você.

Guarde seus pedidos errados, sua arrogância que trata Deus com um garçom, que faz tudo pela sua gorjeta em forma de dízimo ou oferta. Que tenta sequestrar o coração de Deus, manipula-lo e leva-lo a atender sesu caprichos.

A mulher entendeu que o melhor pedido, era que fosse feita a vontade de Jesus, e que qualquer farelo de graça, amor e misericórdia que viessem Dele seria tudo o que avida precisa pra ter sentido e pra ser vivida.

Entendeu que o coração quebrantado, é tudo o que se precisa pra quebrar o aparente silêncio de Deus.

Abraço á todos

Carlos Alberto Correia

17/02/2013

A Caixinha de Promessa e o Mosquito

6 fev

il_570xN_229405834

Desde pequeno Paulo Roberto via sua mãe usar uma caixinha de promessa. Uma caixinha pequena que era febre na época, que cabia na palma da mão, e tinha dentro versículos bíblicos. A mãe recorria a caixinha nas horas diversas, de duvidas, aflições e problemas. Quando queria uma resposta dona Dália pegava a caixinha e tirava de lá o que precisava, e o conselho certo sobre o que fazer.

Paulo Roberto cresceu e virou “Mosquito”, apelido dado pela molecada da vila, por ser pequeno e magrinho. No mesmo tempo essa mesma molecada, já tinha suas primeiras experiências com um baseadinho aqui, outra coisinha ali, além de  pequenos furtos de algo no mercadinho, ou na rua, quase sempre com Mosquito junto.

Mesmo iniciante da chamada “malandragem”, Mosquito jamais se esqueceu da caixinha da promessa, em sua breve passagem pela escola primária, a qual abandonou, era normal após colar, ir consultar a caixinha da promessa da mãe pra ver se descobria o que seria dele.

Brigava, batia, e apanhava.

Aprontava, roubava, fazia mal.

Mas como em surtos de arrependimento, medo, ou só peso na consciência de quem cresceu dentro de uma igrejinha, ouvindo sobre Deus, onipotência, onisciência e poder de castigar, lá ia Mosquito consultar sua sorte na caixinha de promessa da Dona Dália.

Passado tempo,  Mosquito como os da idade dele, queria comprar um tênis “New Balance” que era o sucesso da época, como tudo que esta na moda custa caro,  seus pais não podiam lhe dar. E assim junto com  mais 3 parceiros de malandragem, resolveu roubar a locadora do centro da cidadezinha pertinho da estação de trem, combinaram que esconderiam  a grana e depois de alguns dias baixado a poeira dividiriam tudo.

De  camisetas amarradas no rosto  e toca na cabeça para dificultar a identificação, lá foram eles.

Armados com um 38 que um deles tinha arrumado, enquanto os outros que fingiam-se também armados tinham as mãos por dentro das blusas.

Deu certo! Limparam o caixa da locadora, e de quebra  levaram alguns VHS de lançamentos de Hollywood da época além de uns pornôs para alimentarem a fantasia de moleque.

Ao saírem dispersaram rapidamente, uns pegando o trem, e cada um pro seu lado. Mosquito com a grana toda na jaqueta que parecia um balão azul marinho, chamada de “japona” na época, ficou encarregado de guardar tudo, até a coisa apaziguar, conforme combinado.

Nunca tinha feito um assalto daquele, considerava aquilo grande, por isso chegou em casa com coração acelerado, suando frio, como se todos soubessem, como se estivesse escrito na sua testa o que tinha feito.

Isso fez Mosquito se preocupar. Enrolou a jaqueta e jogou bem no fundo do guarda roupa, e correu em busca da resposta para sua vida. Pegou a caixinha de promessa da mãe, fechou os olhos e disse a Deus: Me ajuda Senhor fiz um esquema errado, mas foi o último, eu juro, pode ver que tô tremendo todo de medo! Me tira dessa, e ai não quero mais saber disso não!

Após a prece sacou esperançoso do papelzinho amarelinho e leu o trecho de Isaias 41:13: Porque eu, o SENHOR teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo.

Um alívio percorreu sua espinha e tomou seu corpo, caiu pra trás deitou na cama, e com a alegria do roubo aprovado e validado por Deus, gritava: Graças a Deus! Tô livre!

No mesmo momento chega Seu Mauro, que não era muito simpatizante de Deus, e menos ainda da caixinha de promessa, que pra ele era uma idiotice de gente bitolada, como sempre dizia para sua mulher.

– Que isso moleque? Tá livre de que? Que você tá aprontando?
– Nada pai!

– Nada é? Te conheço mais que você, moleque! Não é nada? Pois isso eu vou saber, quando for pra ser! Disse o velho Seu Mauro, calejado da vida e dos percalços dela,  que o tornou malandro de verdade, a ponto de farejar coisa errada no ar.

No outro dia, inesperadamente, Seu Mauro chutou a porta da casa, pegando Mosquito pelo colarinho e dizendo: Me conta agora moleque, que história é essa?

Mosquito aparentando não saber nada do que o pai dizia, acordou pra realidade quando sentiu um “tapão no pé no ouvido”. E assim que o zumbido no ouvido passou, ouviu Seu Mauro gritar com a mão erguida: Eu sou Teu pai Paulo Roberto! E agarrando-o pelo antebraço e com outra na mão direita de Mosquito, o puxou pra fora e  arrastou o moleque ladeira abaixo, na frente de todo mundo da vila, até deixar com lágrimas nos olhos, o filho na delegacia, onde  encontraram um conhecido do assalto que havia dado a fita de tudo.

Não é ficção!Hoje conheci numa viagem de trem o Mosquito, ou “ex Mosquito” porque segundo ele, desde o sopapo do pai, voltou a ser só Paulo Roberto.

Contou que como era menor na época, passou uns dias na Febem  até ser liberado, e  que numa das visitas á cadeia, a mãe levou pra ele a caixinha de promessa, a qual ele decidiu examinar minuciosamente, percebendo que, ou por defeito ou por características de todas as caixinhas, todos os textos eram sempre favoráveis, bons, e com uma ideia de final feliz.

Contou com olho marejado e sorriso saudoso, que Seu Mauro, já falecido, foi na época o agir de Deus, que deu no malandro um tapa de realidade, não aturando mais o auto engano de Mosquito.

Seu velho foi o grito de Deus que dizia: Sou teu Pai!

Seu Mauro, naquele momento, a exemplo do que Mosquito havia lido, foi a mão de Deus Pai, que o pegou pela mão direita e o levou para algo que parecia prisão, mas que o libertou de vez. Cumprindo assim a promessa que não cabe em objeto ou lugar algum fora do homem. Pois o Deus, o Eu Sou, não cabe em caixinhas, Sua palavra é verdade que transcende o colorido dos versos, e a “santa ilusão” que a muitos toma, e espada que corta com amor, o engano, a mentira e a injustiça, e liberta de vez.

Carlos Alberto Correia

06/02/2013

Onde foi que eu guardei?

1 fev

movel-gavetas2Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.  João 14:2

Como guardamos? Pra nós guardar é colocar em algum lugar seguro, mas as vezes guardamos tanto que acabamos escondendo de nós mesmos.

Quem já não guardou tão bem; chaves, dinheiro, papéis e tantas outras importantes e acabou se esquecendo onde, não encontrando mais, ou demorando muito pra achar?

A verdade é que o nosso guardar é diferente do guardar de Deus, em sua palavra.

Quando guardamos lançamos em algum lugar seguro pra nós, e seguirmos a vida. Guardar pra nós é como se esquecer, é jogar nas gavetas tirando de vista, da memória, e do coração.

O guardar de Deus é zelar, cuidar, manter seguro, manter vivo. É guardar nas próprias mãos que mantem tudo visível a quem quiser, mas ao mesmo tempo  firme,  sem se soltar ou se descuidar, não se abrindo a mão por nada. o Guardar de Deus é instalar dentro de nós o que se foi dado, para que tome vida, que cresça em nós aponto de nos transformar, nos fazer crescer, e chegar ao momento em que flua de nós em forma de bem, em forma de amor, na forma de Jesus Cristo. É chegar ao ponto de dizer: A cada dia vivo menos eu, a cada dia  Cristo vive mais e mais em mim! Prosseguindo zeloso pelo objetivo descrito por Paulo.

Na palavra você achará diversas vezes Deus falando sobre guardar. Parece que Jesus esta pressionando ou ameaçando as pessoas a fazerem sua vontade, obrigando- as a cumprirem a risca seus mandamentos, caso contrário, ele faria com que fossem vistas por todos como pessoas falhas, pecadoras rotuladas como aqueles que  não o amam.

Pelo contrário! O Jesus que dá o mandamento, o dá para que este sirva para a dura vida, para que seja resposta, alento consolo e alimento e qualquer lugar. Seus mandamentos são doses de amor, para nosso bem, para nos guardar.  E quem guarda estes tesouros no coração, e não no território do esquecimento, é feliz.

Feliz é quem dá crédito a estas palavras, que não as negocia, que não as manipula para sua própria vontade.

Feliz é quem não adiciona e não adultera os mandamentos, tentando os tornar atuais a realidade de si mesmo ou do mundo.

Feliz é o que guarda tudo de Cristo por perto, e não longe a ponto de pegar qualquer coisa que venha, e que esteja acessível na hora da angustia.

Feliz  o que tem guardado os mandamentos de Cristo, vivos dentro de si,  no trajeto da vida. Pois venha o que vier, seja o que for, esta pessoa carrega de forma profunda, e verdadeira a essência de quem é Jesus Cristo e que Ele vive junto, ao lado, mas principalmente dentro dela.

Carlos Alberto Correia

remanescentes

01/02/2013

Cheios de vazio

28 jan

garrafas_pet

Como todo paulistano já peguei várias enchentes. Numa destas chuvas fortes, peguei um temporal de quase meia hora, mas destruidor. A  água subiu tanto que tive que me abrigar num murinho de quase 2 metros. E ali no murinho com outras pessoas esperei a água baixar, para seguir cada um seu caminho, e a vida voltar ao normal.

 

Mas se passou muito tempo, e a água da breve e forte chuva não baixava. Sendo assim, alguns impacientes se aventuraram na água suja. Um homem desafiou a enchente, ergueu  sua maleta para que esta não molhasse, e lá se foi na água que batia no peito, até pisar em algo que o fez perder o equilíbrio, e o fez temer, a ponto de largar a maleta pra se manter em pé. Voltou, pegou a maleta da água, e lá do outro lado o víamos  se lamentar por não ter protegido o que tinha nela e que devia ser importante, mas estava molhado de água suja agora. Outra senhora, que reclamava o tempo todo, também perdeu a paciência, e foi. Mas logo que caiu na água, viu que não era tão alta, e a água que batia no peito de alguns, a cobriu por inteiro, e em desespero ela tentou voltar, agarrando- se nos tijolinhos furados do murinho, até que a ajudamos, e ela voltou meio envergonhada e arrependida.

 

A água baixava lentamente, e  já dava pra  perceber o porquê daquela água demorar tanto pra ir embora. Dos três bueiros dali  lotados de lixo, um deles chamou minha atenção, estava entupido em sua maioria de garrafas pet, aquelas de refrigerante, que  víamos passar o tempo todo navegando na enchente. Pensei, nenhuma daquelas garrafas tinha a coca cola que dizem fazer mal á saúde, nem o refrigerante que engorda ou causa diabetes, nem o refrigeréco barato com gosto estranho.                                                               Nada disso! Estavam vazias, e se sozinhas pareciam inofensivas, juntas eram um exército resistente á toda aquela água.

 

Lembrei-me desse temporal pouco antes de compartilhar com meus amigos irmãos na Comunidade Remanescentes neste fim de semana, enquanto eu lia , Efésios 5: 6-21, onde somos incentivados a buscar ser cheios do Espirito Santo, deixando de lado as coisas vãs, vazias, infrutíferas, torpes, e inúteis.

As tempestades da vida virão sobre todos, seja quem for, creia no que crer, o  grande desafio é: Como vai ser? Como você vai se portar diante dela? O que você é, e do que você é cheio pra suportar a tempestade?

Muitos temporais mesmo rápidos deixam um enorme estrago, e os efeitos disso muitas vezes são sentidos pra sempre, porque ninguém se preocupou com as inofensivas garrafas pets da vida.  Deu-se ênfase as coisas que julgávamos pintadas de mal, rotuladas de mal, ou cheias de mal, pois diziam ser assim.

Mas uma garrafa pet?

Nããããão! Afinal, é só uma garrafa vazia. E de coisa vazia, em coisa vazia, a gente se enche.

Aquela discussãozinha vazia que dura uma vida, e acontece todo dia nos mantendo na imaturidade, na mesmice.

Debates vazios do tipo:

O que podemos vestir?

O que podemos beber?

Aonde ir e como ser?

E na hora que o temporal é  isso que temos dentro de nós, (e por mais redundante que pareça)  somos cheios mesmo é de um monte de nada.

 

 

Mas quando o discurso é ser cheio do Espirito Santo, mesmo assim pode ser um problema, pois, muitos mesmo nessa disposição estocam dentro de sí ensinamentos vazios. Tudo porque os caminhos a serem percorridos nesta busca de vida, são ignorados, ou escondidos.

Pregamos que para ser cheio, é necessário participar dos eventos da igreja, dos propósitos dela. Todo ano, igrejas lançam marketings do tipo: O ano de Daniel, de Ezequiel, e o ano desse ou daquele profeta, e tal. Tem também aquelas que criam slogans como: O “Ano da benção”, ou “O Ano de colher” e coisas do tipo.

Desta forma vão prendendo as pessoas num enredo anual e fazendo-as seguir a uma trilha imposta desenhada pra parecer a busca por ser cheio do Espirito Santo, mas não é.

Ensinamentos  que ignoram importantes etapas, enquanto Deus diz para antes termos a decisão de fugirmos e descartarmos da maneira correta  tudo o que é vazio, tudo o que é fútil, infrutífero e torpe, é isso o que é oferecido para as pessoas.

 

Aprendemos que ser cheias é, ser prósperos financeiramente, ou que  é perder o controle de sí numa reunião e gargalhar, chorar, pular e fazer golpes como os de karatê. Aprendemos a ver o que profetiza ou fala em línguas, e age como um vidente, como o símbolo do que é ser cheio do Espirito Santo. Ou que ser cheio do Espirito é nunca ficar doente, nem problemas, nunca passar por tempestades.

Pobres, cheios de vazio! De um Espirito que só enche pessoas dentro do ambiente ou esfera religiosa, só existe no culto, na reunião, e na igreja ou nas coisas autenticadas por ela, algo que só traz sustância dentro da bolha religiosa, mas é vazio para a vida.

É na vida e no seu dia a dia que a tempestade vem,  que as coisas são e estão. Na igreja a esposa não apanha, não é traída, não é maltratada . Na igreja o homem desempregado não recebe a contas de luz, de água, e outras. Lá ninguém é cobrado pelo cônjuge os afetos, as responsabilidades. La os jovens pulam e dançam, pois não tem drogas, não são bombardeados com os assuntos polêmicos e questionamentos sobre sexualidade, comportamento que tomam a idade. Mas e la fora?

 

 

Quando falo neste  assunto alguns  acham que eu prego contra a igreja, e a frequência destes lugares.

Não é isso! O problema é uma igreja que é um fim nela mesma,  que não prega um evangelho que serve para viver lá fora, dando as pessoas a impressão de necessidade de correrem pra lá quando os problemas aparecem. Uma igreja que  joga dentro das pessoas pets vazias nos domingos e quando encontram as tempestades não sabem lidar com seus efeitos.

Reclamam, perdem a paciência e se jogam nas águas,  descobrem que não dão conta,  se afogam e pedem socorro, enquanto alguns morrem espiritualmente. Se se expõem, sacrificando o que é mais importante, pra privar o que é fútil. ( lembra do cara da maleta, que arriscou a vida pra salvar o que eu acho que seja papéis?).

 

O Vazio não deve ser tratado com descaso. As garrafas pets têm lugares certos pra serem descartadas ao invés de serem ignoradas. Os vazios de nossas vidas também devem ser direcionados a lugares para serem lançados e jamais voltarem, e jamais se tornarem um problema ocupando o espaço que deveria ser cheio de maturidade, sabedoria.

Temos nossas formas lógicas de pensar e encarar as coisas. Olhamos pra algo e julgamos: Vazio ou cheio, de Deus e do diabo, bonito e feio!

Ignorando que, se possível o inimigo se vestiria de anjo de luz pra nos enganar.  Não virá vestido de vermelho e de tridente, não nos dará um cartão de visitas dizendo: Olá sou o diabo!

Tudo é muito sutil! E é bem mais fácil, menos trabalhoso, fazer coisas bonitas, aparentemente santas, e espirituais, mas vazias.

É bem mais fácil também fazer de conta que nada tem tanta importância, e dizer:

Não liga pra isso!

Ou então:

Ah isso Não é nada, não tem problema algum deixar ai!

Pois é assim que o aparentemente inofensivo e vazio é descartado da maneira errada, lançado pra dentro de nós, nos sufocando na hora da aflição.

 

 

Deixe de lado as mesmas discussões de sempre. Se encher de Deus não é seguir passos determinados por outros , deve ser uma decisão sua, hoje.

Decisão de abrir mão do que é inútil pra caminhar. Decisão de não falar mais disso, não bater e não insistir mais. Decisão de descartar da maneira certa, entregando nas mãos daquele que disse que confiemos a Ele nossa vida, nossas ansiedades, nossos pesos, Aquele que nos daria leve fardo, que embora seja leve, não é vazio, mas cheio de vida para toda a vida.

Se encher do Espirito não acontece em um evento de fim de semana e suas continuações. Desculpe mas 90% das pessoas que foram a estes encontros não mudaram nada, e se alguém ficar bravo comigo por isso, peço que me perdoe, mas que pense em todas as pessoas que estiveram com você lá, desde o inicio, e como a maioria delas se portaram diante de algumas tempestades. Pense e encontrará jovens que vem e vão. Que um dia são fervorosos, em outros são frios, distantes e duvidosos por não lidarem com coisas como sexo, drogas, e com se relacionar com o mundo. Ponha num papel  e encontrará muitas pessoas inconstantes que se evadiram disso.

 

 

Encher do Espirito Santo é um exercício diário.  E como se não houvesse ontem e nem amanhã, dizer: Eu me esqueço, descarto, lanço de lado, as coisas que ficaram para trás, que são vazias, que são fúteis para a vida, e  hoje, avanço mais um pouco, pelo menos mais um pouquinho, para as coisas que estão adiante. Prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus.

E tendo Jesus como alvo, e não se enredando em “O ano disto” ou “daquilo”,  se decidir de vez por uma vida com Jesus, somente, já não se importando se essa vida tenha mais 30, 40 ou 50 anos. Nem mesmo se ela tenha mais uma semana ou que ela se acabe antes que eu escreva, ou que você leia isso tudo. Mas se importando somente que Cristo foi o único alvo, a única meta, o único tesouro desta vida.

Pois Jesus Cristo, não cabe só na redoma religiosa, Ele é maior.

 

É Maior que a vida, maior que as tempestades.

Sua presença nos enche da certeza de que não é preciso se desesperar com a água que sobe, pois Jesus ali esta. Seja para mandar a tempestade se calar e se retirar, seja para mandar um murinho para que possamos nos abrigar com paciência para esperar os efeitos dela  passar e poder seguir em paz.

Seja até mesmo para que, enquanto águas subam e que por fim sem saída nos tirem a vida. A mesma tempestade seja chamada de tola com suas águas. Pois assim é com os que pensam que podem tirar a vida dos que são cheios do Espirito. Não podem roubar a vida, pois neste caso Jesus Cristo, nos receberá para a vida eterna, , pois nesta sim, as tempestades não mais existirão.

Carlos Alberto Correia

Com. Remanescentes

28/01/2013

Não deis lugar ao diabo.

21 jan

Efésios 4:27

lugar

Por achar que o diabo quer um país, uma cidade, um bairro ou uma rua, faz-se uma espécie de despacho gospel. Já vi gente ungindo ruas, pagando aluguel pra pastores sobrevoarem a cidade de helicóptero para derramar óleo sobre a cidade e decretar o senhorio de Cristo ali.

Por achar que o diabo esta na casa assombrada, se ora, se ungi, se repreende faz se campanhas, travando ali uma guerra pela ocupação espiritual do espaço, e o despejo do espirito a fim de se trazer paz.

Por achar que o diabo brinca de jogar “War” gastamos tempo em dinheiro e seminários de “batalhas espirituais” a fim de combater, atacar e destronar os chamados espíritos territoriais, aqueles que promovem desgraças especificas em cada lugar.

Por achar que o diabo esta no próximo, e este é o culpado pelo nosso mal, ou então que este pode nos fazer algum mal, julgamos, acusamos, e atacamos as demais religiões. Tratamos nossas orações como mísseis teleguiados pra explodir com qualquer coisa que não se denomine crente, gospel, evangélico, ou cristão, e tudo mais que faça nos sentir ameaçados no que diz respeito a nossa crença.

Por achar que o diabo esta só no possesso que se estrebucha  e fala grosso, no culto da TV, ou em nossas reuniões semanais, não percebemos que ele esta na fofoca da pessoa aparentemente inofensiva que é membro assíduo  á dez, vinte ou  trinta anos e é visto como uma benção de Deus.

Por achar que o diabo esta só nas coisas sujas, feias, aterrorizantes e cruéis deste mundo, não nos atentamos no que foi dito, de que o próprio satanás se disfarçaria de até anjo de luz para enganar. Ele( diabo) prega bonito e eloquente, ele cativa multidões, ele  ergue  impérios, ele é aclamado e chamado todo dia de bispo, apóstolo, mestre, pai ( sem generalizações e com todo respeito, aos verdadeiros homens e mulheres de Deus). Ele cura faz sinais (pois também foi dito que ele faria isso) ousa liberar coisas, unções, palavras proféticas  em nome de Deus ( que já liberou na cruz tudo o que deveria ter sido dado ao homem, não deixando nada a desejar).

Por achar que o diabo esta em coisas e objetos, esquecemos que a lei acabou. Sendo assim, acabando na cruz tudo que fazia o tabernáculo, o templo, os rituais, e lugares santos, o lugar mais cobiçado do diabo que entendeu tudo, não é  nenhuma cidade, rua ou casa, afinal o mundo jaz no maligno, ele já o tem, já o matou. O lugar que o diabo quer é o lado de dentro de você e de mim.

Por muito tempo achamos que não dar lugar ao diabo seria ir à igreja regularmente, dar ofertas e dízimos com desprendimento coragem e pontualidade. Fazer parte do rol de membros de alguma denominação. Outros acham que por ter vivido milagres, por terem sido agraciados por algo signifique sempre que Deus o agraciou e automaticamente não dá lugar ao diabo.

O fato é que o diabo, não é diabo sem um lugar. O diabo é sedento sem teto e miserável se não encontra um lugar no interior do homem. E este interior do homem é que deve ser o lugar onde devem estar voltadas nossas atenções, o diabo quer corpo, mente e coração, e sempre foi assim. Enquanto nós achamos que ele quer ser dono de um bairro pra ali haver pobreza, miséria e vícios. O lugar é dentro, o lugar a ser santo, é o lado de dentro e tudo que ali há, pois este é o único desejo do diabo. Um espaço, um lugar pra se instalar, pra chamar de seu e ali fazer acontecer.

O diabo não faz facas saírem das gavetas voando e fincarem no peito de gente levando-as a morte, tenha certeza disso, você não verá nada do tipo acontecer. Porém ele buscará lugar dentro de um homem vazio e usará sua mente, inflamará seu coração e por fim este homem será a carona até a gaveta, a mão que empunha a faca, e o criminoso que tira a vida do próximo.

Ninguém esta feliz, promovido e em um estalo  resolve se suicidar. Não o diabo encontrou um lugar dentro deste individuo pra temperar com amargura, remorsos, culpas, até que a pessoa dá cabo de si mesma.

De igual forma lugares assombrados, só o são por que  se encontrou medo nas pessoas que ali habitam.

Que a miséria, a ganância, o medo do amanhã só existem para os que dão espaço para os demônios que trazem preocupação pelo material e o que é pelo visível nesta vida. E jamais isso aconteceria com o homem que dá graças pela dor, pelo pão, pelo dia duro, porém vencido, pela vida e seus dias embora passasse por vales de sombra de morte.

O lugar posso ser eu, pode ser você. Alimentaremos o mal o acolhendo, ou faremos com que ele morra de fome e fuja de nós por encontrar resistência?

Grave bem isso, pois hoje trabalham para aprendermos o que é mais rentável e conveniente á religião. O diabo não esta e nunca esteve preocupado com coisas, lugares e nem rituais, o que ele sempre quis e quer é um lugar dentro do homem é lá que se iniciam guerras, mortes, desigualdade, separação, injustiça, miséria. É lá que se pinta de santo o que é impuro, se dá aura de benção ao que é maldição, se diz coisas que penetram como verdades e vida, mas que  são mentira e morte.

Este espaço do homem nunca esta vazio, e, até o desejo de estar vazio pode ser a porta aberta para o mal, a luta não  é, deixa-lo vazio, e sim para o manter cheio de Cristo. Ocupar nosso interior com Jesus, não acontece numa oração, nem numa reunião com tema direcionado a isso, ela acontece de vida, de busca, de transformação da consciência todo dia em Cristo no caminho da vida, com Ele, por Ele, lançando fora tudo o que não importa, abrindo mão, e se entregando a Ele, por isso Paulo antes de nos advertir a não dar lugar ao diabo diz: E vos renoveis no espírito da vossa mente; E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros. Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira.
Efésios 4:23-26 –

Estas são algumas atitudes para que cada vez o nosso interior se feche para o mal, e se encha do que é bom.

Uma boa semana e um grande abraçam a todos.

Carlos Alberto Correia

Comunidade. Remanescentes

Planos para um novo ano.

20 dez

É gente mais um fim de ano, vem ai 2013!

Chegamos naquela época em que as pessoas fazem um certo balanço da vida, do ano que passou, e do que se passou. Planejando coisas para o próximo ano, como do tipo; Vou emagrecer este ano, vou me casar, viajar, ser meu próprio patrão, trabalhar mais, enfim, uma série de planos e metas que traçamos para o novo ano, normais até.

Mas quantas vezes neste balanço geral do ano encontramos um sonho, um plano que ficou pra trás e acabou não acontecendo. Começamos o ano no maior gás, tudo começou bem, as coisas estavam correndo como combinado em janeiro, mas eis que dezembro bate as portas e percebemos que em algum momento as coisas saíram dos eixos, e muitos dos projetos se perderam em algum lugar dos 365 dias.

Nesta hora nos culpamos, sentimos lá dentro uma pontinha de fracasso, e ai nossa reação é planejar tudo de novo com a promessa  de que desta vez tudo irá acontecer.

Nunca ouvi dizer que alguém planejando um novo ano colocasse no meio de suas metas uma possível falta de dinheiro, uma doença, uma perda de um ente querido, ou qualquer outro percalço. Não mesmo, nossos projetos não incluem os acidentes de percurso da vida, mas mesmo assim eles estarão lá, como todo e qualquer normal ser humano, independente de crença religião ou posição social, lá estarão os não planejados e indesejados percalços.

Nosso maior desafio não é viver uma vida sem problemas, mesmo porque esta tal vida não existe em lugar nenhum.

Nosso verdadeiro desafio é passar por todos estes problemas, e não perder se amargurar, não perder a alegria de viver nem o amor. Não perder a paz, e  não deixar que tais acontecimentos indesejados nos esvaziem e acabe com nosso ano em um mês de maio ou junho.

Temos um belo texto bíblico que gosto muito, e que me faz manter os pés no chão  me livrando da inútil busca pela vida perfeita, que muita gente diz ter encontrado por ai, o texto diz assim; Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo;Salmo 23:4. 

Passamos em nossa vidas por situações que parecem com o tal Vale da sombra da morte citado. São períodos de dor, sofrimento, alguma angustia, ou perda, duvidas, medos, enfim diversas situações não planejadas que nos surpreendem durante o ano e isso sempre se dará.

Mas nunca devemos perder a certeza de que Deus esta conosco todos estes dias, sejam eles  bons ou maus, seja pra se alegrar conosco, chorar conosco, nos consolar, e nos fortalecer para que mesmo com tudo isso, não percamos a alegria de viver  e de fazer de nossa vida uma vida melhor, de verdade, a cada dia.

 

Feliz 2013 a todos

%d blogueiros gostam disto: